Nasci no feriado de 7 de setembro, mais precisamente num fim de tarde com um lindo pôr-do-sol. Sou apaixonada por fotografia e gosto muito de viajar. Aprecio arte de um modo geral, em especial a música. Minha vida não existe sem uma trilha sonora. Faço colagens e escrevo. Acho que a única coisa que um dia quis ser de verdade foi escritora, mas me falta talento. Adoro ler, principalmente livros sobre ciências humanas e sociais. Sou fã de autores como Orwell, Palahniuk, Huxley. Adoro flores, ar livre, verão, praia, andar de bicicleta, caminhar. Gosto muito de ir a shows e festivais. Sou fascinada por bandas e artistas dos anos 80. Meus gêneros de filmes preferidos são drama e documentário. Gosto de séries antigas, especialmente que marcaram minha infância ou adolescência. 

Sou um tanto inconstante, impulsiva e principalmente introvertida. Talvez, tímida, preciso de tempo e ajuda para me sentir à vontade com as pessoas (Do tipo: "do mato mesmo!"). Para muitos, esquisita. Não gosto de ser pressionada ou que exijam que eu seja algo que não sou. Detesto que me peçam pra interagir mais, pra ser mais sociável, quando minha natureza não é essa. Introvertidos têm todo direito de serem introvertidos. Obrigada, mas adoro ser do jeito que sou. Não quero perder a timidez e nem ser mais sociável, adoro ser reservada, quieta, tímida ou introvertida. Enfim, cada um do seu jeito e respeitando a liberdade do outro de ser quem é. Enfim, aceite que sou realmente "estranha".


Tenho paixão pelo mar, tanto que pensei fazer Oceanografia; passei, mas não cheguei a cursar. Sou péssima em exatas! Sempre gostei de estudar, no entanto, eu detestei minhas experiências na escola e na faculdade.  Já me decepcionei bastante com amores e amizades, e devo ter decepcionado muita gente também. Tento pensar no passado como um aprendizado, olhá-lo como uma bagagem de sabedoria para o presente e fazer melhores escolhas. No entanto, confesso, esse processo não é nada fácil e falho demasiadamente.


Todas as vezes que me apaixonei não foi de imediato e nem pelo visível (aparência), mas sim pelo jeito de ser e pela conversa da pessoa. O que mais me atrai nas pessoas é exatamente isso. O que a pessoa é por dentro, o que ela tem a dizer, o que ela pode dividir comigo; é isso que a faz ser bonita ou não pra mim. O que mais amo numa pessoa é conseguir conversar com ela sobre tudo, sentir uma conexão nisso, poder ser eu mesma sem reservas.


Já me perdi, me encontrei e me perdi de novo. Hoje, eu vivo em constante aprendizado, mais focada no autoconhecimento, busco equilibrar mente-corpo-espírito. Pratico yoga, o que me torna melhor todos os dias, o que não quer dizer que sou perfeita. Apenas tento falhar menos a cada dia., repetir menos os mesmos erros. Sou muito exigente comigo mesma e tento melhorar isso também, visto que essa cobrança excessiva me impede de realmente viver a vida com mais leveza. No mais, espero que gostem do meu site e possam conhecer um pouco mais sobre mim e sobre o meu trabalho.

© 2017-2020 by Carolyne Ferso.